Orientação dos negócios|GRI G4-DMA|

A safra 2014/2015 foi desafiadora para todo o setor sucroenergético. Para manter-se competitiva, a Odebrecht Agroindustrial adotou diversas medidas com vistas à produtividade e ao aperfeiçoamento de suas operações.Colaborou para a competitividade da Empresa o aporte financeiro da Organização Odebrecht, que ratificou sua confiança no Negócio e aumentou sua participação no capital acionário.

Na safra 2014/2015, os aspectos de sustentabilidade estiveram ainda mais presentes nas ações de planejamento e no desenvolvimento dos negócios, assim como um acirrado controle de custos. Entre os direcionamentos adotados, a Empresa deu continuidade à estratégia de concentrar esforços na renovação dos canaviais, consequentemente, diminuindo os investimentos na expansão, que passa a ser mais seletiva, atrelada a fatores de competitividade e não mais de volumetria. A ideia é buscar melhorias de produção, otimizando tanto ativos agrícolas quanto os industriais.

Ainda em linha com a estratégia de crescimento perene, a Empresa vem buscando condições para aumentar o fornecimento externo de cana-de-açúcar. Desta forma, não só minimiza os riscos e custos da operação agrícola, como também fomenta o desenvolvimento econômico e social local.

Durante a safra 2014/2015, entraram em operação as duas desidratadoras de etanol instaladas na safra anterior, nas unidades Rio Claro (GO), Santa Luzia (MS) e, no início da safra 2015/2016, partiu a de Eldorado (MS). A medida está em sintonia com a estratégia adotada para melhorar o mix de produtos, por meio do aumento da produção de etanol anidro (etanol misturado à gasolina). Com isso, a Empresa espera conter parte das perdas com o desaquecimento ocorrido no mercado de etanol hidratado comercializado nos postos de combustíveis. Ao todo, a Odebrecht Agroindustrial conta com seis ativos dessa natureza instalados em suas Unidades Agroindustriais.

CONCENTRAÇÕES DA AGENDA ESTRATÉGICA DA EMPRESA

Concentrações da agenda estratégica da Empresa