Gestão de Riscos|GRI G4-DMA|

A Odebrecht Agroindustrial adota ferramentas e processos para mitigar os principais riscos relacionados aos Negócios, de forma a buscar sempre as melhores oportunidades para manter os resultados esperados em cada uma das operações, assegurando desta forma a sua perenidade.

O gerenciamento de riscos dentro e fora da Empresa tem como objetivo ainda a avaliação de aspectos futuros, capazes de provocar impactos negativos tanto às atividades quanto à sua reputação em seus mercados de atuação e no relacionamento com seus públicos estratégicos.

Matriz de risco |GRI G4-2|

Na Matriz de Risco da Empresa, quatro temas são prioritários e estão sempre no cerne das discussões de melhorias e são foco de atenção constante. São eles:

 
  • RISCOS DE MERCADO

Aprovada no âmbito do Conselho de Administração, a gestão de riscos de mercado determina as peculiaridades das atividades de gestão, que compreendem metodologias para cálculo de exposição, relatórios e sistemas de controles de monitoramento, parâmetros para tomada de risco, limites e instrumentos financeiros. 

Todo o sistema de gerenciamento de riscos destina-se a proteger financeira e economicamente o fluxo do caixa. As variações de câmbio, do preço do etanol e do açúcar e das taxas de juros flutuantes estão entre os riscos imediatos administrados. Além disso, são adotados instrumentos derivativos, que passam por cotação competitiva, avaliação de precificação, impacto contábil, entre outros, de modo a conter as principais exposições de riscos comerciais e financeiros decorrentes da operação. Esses instrumentos incluem contratos de opções, futuros, swaps e Non-Deliverable Forward (NDF – contrato a termo entre duas moedas).

A Odebrecht Agroindustrial analisa diariamente seus contratos derivativos e ajusta a estratégia segundo as condições de mercado, podendo utilizar derivativos para alterar o retorno de suas operações. A contratação desses instrumentos é feita para um montante não superior ao da aplicação ou do compromisso implícito.

  • SAÚDE, SEGURANÇA E MEIO AMBIENTE

Para a Odebrecht Agroindustrial, a segurança é um valor e a Empresa reafirma esse compromisso em cada atividade, assegurando, em primeiro lugar, o cumprimento de todas as medidas legais exigidas.   

Além disso, as Unidades em operação passam por uma análise de riscos ambientais e de segurança dos processos industriais por meio da metodologia Hazard and Operability Study (Hazop – Estudo de Operabilidade e Perigos). Sua utilização coloca a Empresa na condição de agente de mudança e contribui para a formação de uma cultura focada na precaução. Abrange questões operacionais, bem como a possibilidade de ocorrência de acidentes ambientais, incêndios, explosões, vazamentos e demais impactos ao meio ambiente e à segurança, permitindo a adoção de medidas preventivas. 

Os incêndios agrícolas são um foco permanente de prevenção e controle e toda sua gestão se baseia em 64 práticas documentadas. Para diminuir possíveis impactos na biodiversidade e prevenir riscos voltados à segurança alimentar, o plantio da cana-de-açúcar na Odebrecht Agroindustrial ocorre em terras arrendadas e somente em campos já antropizados, não substituindo áreas florestadas.

  • OPERACIONAIS

Na safra 2013/2014, a Odebrecht Agroindustrial iniciou o desenvolvimento de um projeto que cria um modelo detalhado de avaliação de áreas a serem arrendadas. Mais eficiente, a análise com processo sólido, planilhas específicas e validações por diferentes áreas, vai diluir o risco de negócios mal sucedidos à medida que essas avaliações definirem se a operação será lucrativa, considerando análise de solo, de Capex e de distância, Sustentabilidade, aprimorando a produtividade e o resultado dos arrendamentos.

Para dar segurança e garantir a continuidade de suas atividades, a Empresa contrata seguro de ativos operacionais, de transporte de carga e para a cobertura de eventos ambientais. Além disso, são aplicadas medidas preventivas para coibir a ocorrência de acidentes de qualquer natureza, como auditorias internas de verificação de itens de saúde, segurança e meio ambiente; capacitações e procedimentos de comunicação compartilhada, inclusive acidentes.

Nas operações agrícolas, um dos pontos de atenção é a questão veicular, devido ao excesso de caminhões e de máquinas. 

Para isso, a Empresa não abre mão da disciplina do ponto de vista das pessoas e trabalha constantemente junto às Lideranças para que possam fazer a diferença na conscientização dos Integrantes, evitando quaisquer tipos de acidentes. 

Dentro das instalações das indústrias, os riscos sobre estocagem de etanol, de açúcar e a operação das caldeiras com alto nível de pressão são pontos de especial cautela e são mapeados e tratados, com acompanhamento dentro dos padrões estabelecidos. 

  • IMAGEM E REPUTAÇÃO

A Empresa gerencia todos os potenciais riscos aos quais está exposta, adotando uma postura proativa e antecipando-se às ocorrências. O Plano de Gestão de Crise de Imagem identifica os riscos por Unidades, classificando-os como baixos, moderados e altos, seguindo matriz de risco implementada na safra 2012/2013. Com a situação atual do setor de bioenergia, a Empresa vem redobrando sua atenção nesse sentido, mapeando e acompanhando as ações externas do setor para garantir alinhamento para controle dos riscos comuns do Negócio.

A Matriz será revisada na safra 2015/2016.