A Odebrecht Agroindustrial

Criada em 2007 com a visão de ser uma empresa líder em bioenergia, a Odebrecht Agroindustrial integra um dos principais grupos empresariais do País, a Organização Odebrecht. Por meio de nove unidades, sendo duas adquiridas e sete projetos greenfield, localizadas em São Paulo, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, produz e comercializa etanol (anidro e hidratado), açúcar VHP e biomassa para a cogeração de energia elétrica. Os produtos são destinados aos mercados nacional e internacional. |GRI G4-3, G4-4|

Sua sede administrativa encontra-se instalada na cidade de São Paulo e também mantém um escritório no município de Campinas, no interior paulista. A empresa não negocia ações em bolsa, mas mantém um avançado processo de governança corporativa, prezando por princípios éticos e morais no que tange às suas operações e nas relações com seus parceiros de negócios. |GRI G4-5, G4-7|

Com foco na criação de valor para seus Acionistas, Integrantes e demais stakeholders, a Odebrecht Agroindustrial baseia sua estratégia de crescimento e perpetuidade em pilares de Competitividade, Sustentabilidade e Valorização das Pessoas. Atualmente, ocupa a segunda posição na produção de etanol no Brasil.

O etanol anidro (adicionado à gasolina) e o etanol hidratado (álcool combustível) foram comercializados na safra com distribuidoras de combustíveis, em indústrias química e petroquímica, e outros segmentos industriais, enquanto o açúcar VHP produzido foi direcionado ao mercado externo, sendo negociado com 24 países. Parte da energia elétrica gerada durante a safra foi usada para suprir as necessidades energéticas da Empresa; já o excedente, de 1,5 GWh, foi vendido ao Sistema Interligado Nacional (SIN), por meio de leilões de energia de reserva, e ao mercado livre. A comercialização ficou a cargo da Odebrecht Energia Renovável, também da Organização Odebrecht. O produto fornecido pela Empresa é 100% proveniente de fonte renovável (cana-de-açúcar).  |GRI G4-6, G4-8|

A Odebrecht Agroindustrial não poupa esforços para tornar seu negócio mais produtivo e rentável, investindo forte e continuamente em novas tecnologias e em processos mais sustentáveis, principalmente no que diz respeito a melhorias nas atividades agrícolas, à redução de gastos operacionais e ao desenvolvimento de suas equipes. Somados, esses investimentos ultrapassam a casa dos R$ 10 bilhões desde sua fundação.

Durante a safra 2014/2015, foram moídas 23,8 milhões de toneladas de cana, 5,5% mais do que o volume processado na safra anterior (22,5 milhões), com produção de 1,6 bilhão de litros de etanol e 479,1 mil toneladas de açúcar. Ao final da safra, contava com 13.083 Integrantes próprios, incluindo estagiários e aprendizes. A receita líquida consolidada totalizou R$ 2,5 bilhões, 5,1% acima da registrada na safra anterior (R$ 2,4 bilhões – sem a venda de energia). O valor adicionado foi de R$ 3,2 bilhões, sendo distribuído entre empregados, governo e sociedade e financiadores. |GRI G4-9|

Capacidade de produção na safra 2014-2015

35,4 milhões
de toneladas de cana-de-açúcar

2.820 mil m³
de etanol hidratado

930 mil m³
de etanol anidro

700 mil toneladas
de açúcar

3.544 mil Mwh
de energia (consumo + excedente)

Polos Produtivos e Mapa das Operações |GRI G4-8|

Polo Taquari
Conta com as Unidades Alto Taquari e Costa Rica, localizadas em municípios homônimos nos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.

Polo São Paulo
Formado pelas Unidades Alcídia e Conquista do Pontal, localizadas nos municípios de Teodoro Sampaio e Mirante do Paranapanema, respectivamente.

Polo Eldorado
Compreende a Unidade Eldorado, localizada no interior do Mato Grosso do Sul, em Rio Brilhante.

Polo Santa Luiza
Formado pela Unidade Santa Luzia, em operação na cidade de Nova Alvorada do Sul, no Estado do Mato Grosso do Sul.

Polo Goiás
Formado pela Unidade Rio Claro, que fica na cidade de Caçu.

Polo Araguaia
Compreende as Unidades Morro Vermelho, em Mineiros, e Água Emendada, em Perolândia, ambas em Goiás.